fbpx

Franquias Baratas: 10 Dicas Importantes Antes de Assinar o Contrato

No mercado de franquias, tem se tornado comum a procura por franquias baratas.

Basta olhar a evolução do mercado de Franquias para perceber que os empreendedores estão diariamente cortando custos para atrair a atenção de potenciais franqueados.

É um exemplo deste tipo de comportamento, a criação da microfranquia e da franquia virtual.

A primeira, em regra, é alocada em pequenos locais estratégicos (quiosques), ao passo que a segunda sequer exige algum espaço físico. 

Entretanto, o potencial franqueado precisa entender que o modelo de negócio do Franqueador é direcionado a expansão e venda de franquias.

Partindo desse pressuposto, é fácil entender o porquê é preciso dedicar especial atenção a todos os detalhes que giram em torno do empreendimento. 

Deste modo, e para ajudar o potencial franqueado, passaremos a expor quais são as 10 dicas que devem ser observadas antes de adquirir a franquia.   

franquias baratas cuidados

 A Lei 8.955/94 é uma lei pequena (com apenas 11 artigos…), porém com conteúdo extremamente relevante para aquele que pretende ingressar no franchise. Aqui no site, disponibilizamos a Lei 8.955 comentada

Por meio desta lei, o empreendedor sabe quais são os elementos mínimos que devem fazer parte da Circular de Oferta de Franquia (COF), documento que deverá ser entregue ao franqueado 10 dias antes da assinatura do contrato de franquia.   

  • 2ª Dica: Leia a Circular de Oferta de Franquia (COF)

Uma vez que você, empreendedor, tem conhecimento daquilo que deve estar na Circular de Oferta (pois leu a lei 8.955/94…), passa a ser importante conhecer o conteúdo da COF. 

O legislador, neste ponto, preocupou-se com a transparência do negócio, imputando ao Franqueador a obrigação de dizer, com precisão cirúrgica, qual foi o seu balanço, quantas franquias fecharam no último ano, qual é o perfil esperado do franqueado, dentre outras.   

  • 3ª Dica: Converse com franqueados antigos e, se possível, com antigos franqueados

Por meio da Circular de Oferta, você tem acesso a um grande número de franqueados. Tente conversar com os mais antigos.

Caso você consiga o telefone de franqueados que deixaram a Franquia, é importante tentar conversar com essas pessoas também. 

Seguindo esse passo, é possível obter informações importantes para o negócio.

Por exemplo, o antigo Franqueado pode esclarecer como foi o suporte da Franqueadora, ou seja, como ajudaram o Franqueado durante os problemas que surgiram. 

A falta de suporte é a queixa mais comum por parte dos Franqueados, razão pela qual esse passo é extremamente importante. 

Você, então, deve ser imparcial para avaliar o que foi passado pelos Franqueados de forma técnica, sempre com auxílio de um advogado para garantir maior precisão jurídica ao estudo.   

  • 4ª Dica: Verifique se a marca foi registrada no INPI ou se ocorreu apenas o depósito

No momento em que o empreendedor opta por franquear um modelo de negócio, seu objetivo, em verdade, é dedicar especial atenção a marca, ao know-how e a expansão do negócio. 

Porém, é possível franquear um modelo de negócio, ainda que a marca não pertença definitivamente ao Franqueador, o que pode ser preocupante para o Franqueado. 

Sobre o tema, falamos bastante no post “é possível franquear a marca sem registro?“. 

Imagine, por exemplo, que você tem uma determinada franquia há 3 anos e, de uma hora para outra, é obrigado a mudar sua marca por determinação da Franqueadora.

Isso é possível, porém, é claro que deverá estar previsto no contrato. Mais uma vez, a participação do advogado para avaliar as condições da marca junto ao INPI e para estudar o contrato de franquia se faz imprescindível para o sucesso do negócio.   

  • 5ª Dica: Avalie o Software de Gestão da Franquia

O Software de gestão é o que permite à Franqueadora “rastrear” os dados do Franqueado.

Por exemplo, se você tem uma Franquia de ensino, por meio do software de gestão a Franqueadora saberá, no mínimo, quantos são e quem são os alunos matriculados na sua unidade. São dados mínimos que resguardam acesso ao faturamento da sua unidade.  

Por outro lado, o Software de Gestão, regra geral, vem também para facilitar a vida do Franqueado proporcionando uma plataforma que viabiliza a gestão completa do negócio. 

Todavia, não raro, tais softwares apresentam problemas sérios, inclusive na implantação. Desta forma, avalie o seguinte: 

  1. Há taxa para manutenção do Software na Franquia?
  2. Pesquise no Google sobre a empresa responsável pela implantação do Software e verifique eventuais problemas que surgem em sites de reclamação (por exemplo, “reclameaqui”).
  3. Verifique se o Software é completo ou se é necessário, por exemplo, implantar um segundo Software independente para cuidar da parte fiscal da empresa? 

A parte fiscal do Software de Gestão é, via de regra, a mais complexa. Isso porque, em direito tributário, há inúmeras obrigações acessórias que mudam a todo tempo!!! 

Diferente dos tributos, cuja criação depende de lei, a obrigação acessória é alterada por simples instrução normativa.

Por exemplo, hoje paga-se o tributo por meio da Guia X, amanhã passa a ser pela Guia Y. Em apertada síntese, a obrigação principal pode ser compreendida como o tributo que deve ser pago, ao passo que a obrigação acessória é a obrigação de fazer (por exemplo, declarar CPF, preencher guia X, etc) que tem o contribuinte. 

Claro que o descumprimento de uma obrigação acessória pode gerar prejuízos graves ao Franqueado (art. 113, § 3ª, do Código Tributário Nacional), na medida em que gera uma multa.

Isso se torna ainda mais grave quando o sistema de gestão que automatiza esse processo encontra-se desatualizado. 

Isso, em um software de gestão, exige a manutenção constante por parte da empresa desenvolvedora, o que torna o processo extremamente caro.

Por esse motivo, alguns Franqueadores simplesmente retiram do software essa funcionalidade, impondo ao franqueado a obrigação de instalar um software independente, indicado pelo Franqueador.   

  • 6ª Dica: Avalie a Identidade Digital da Marca

Uma das maiores preocupações que tomam conta do Empreendedor na atualidade está relacionada a identidade digital da marca, ou seja, como a marca aparece na internet para os consumidores. Esse dado, associado a todos os outros apresentados nas dicas deste post, ajuda você a avaliar se o que o Franqueador diz, de fato, condiz com a realidade.  

Siga os seguintes passos:

 

a. Pesquise, no google, o nome da empresa (com e sem aspas) para avaliar como a Franqueadora está indexada no maior buscador da internet

O Google é o centro de pesquisas da grande maioria dos consumidores. A indexação de coisas positivas nas primeiras paginas de pesquisa do Google é, sem dúvida alguma, de extrema relevância para o sucesso da marca. 

 

b. Estude a Fanpage da Marca no Facebook

A Fanpage do Facebook tem ganhado cada vez mais relevância no meio digital, principalmente em razão do Messenger (sistema do chat do Facebook). 

Hoje, a Fanpage funciona como uma espécie de E-SAC, ou seja, uma plataforma eletrônica de Sistema de Atendimento ao Cliente.

O Facebook vem investindo muito dinheiro nessa plataforma, informando, inclusive, otempo de atendimento médio ao cliente. 

Esse esforço associado ao uso cada vez maior do smartphone tem feito com que muitos usuários questionem o produto/ serviço por meio da própria fanpage. Sabendo disso, você deve avaliar como a Empresa se comporta nessa plataforma.   

c. Avalie a reputação da empresa no “Reclameaqui” 

Regra geral, o “Reclameaqui” apresenta, de forma direta, os casos mais graves direcionados a Franquias. Em uma boa parte dos casos há, inclusive, a indicação da unidade que gerou o problema. 

É uma boa forma, também, de obter bons indicativos sobre a Franqueadora. Nesta etapa, o cruzamento de dados passa a ser uma arma importante. 

Por exemplo, você, potencial Franqueado, conversou com um antigo Franqueado que disse que a Franqueadora nunca prestou nenhum tipo de suporte (portanto, você observou a 3ª dica desse post).

Entretanto, você encontra problemas no “Reclameaqui” direcionados aquela mesma franquia informando que o atendimento é ruim.

Diante disso, é possível fazer uma avaliação mais precisa quanto ao que foi dito pelo antigo Franqueado, na medida em que você, agora, tem a opinião de um consumidor.   

d. Avalie a empresa nos aplicativos Foursquare, Kekanto e no Yelp 

Os três aplicativos supracitados (foursquare, Kekanto e Yelp), além de serem extremamente populares, auxiliam a alocação das unidades em boas posições no Google Maps. 

Isso é muito importante para o Franqueado, principalmente em uma sociedade que utiliza mais smartphones que desktops. Sobre o tema, leia o post “Franqueado: a importância do SEO maps“.   

  • 7ª Dica: Avalie o Marketing do Franqueador

Não tenha dúvida: sem marketing, ninguém chega a lugar nenhum. Portanto, nesse ponto, é importante avaliar o que vem fazendo o Franqueador em relação ao marketing da marca. 

Hoje, as principais plataformas para elaboração e desenvolvimento do marketing digital é o Facebook Ads e o Google Adwords.

Em ambos os casos, a marca surge por meio de links patrocinados (links pagos pela Franqueadora). No google, ao pesquisar pelo objeto da franquia você vai verificar um link com a palavra “anuncio” em amarelo apenas se houver alguma espécie de publicidade direcionada para aquele horário. Os links patrocinados do Google Adwords aparecem no começo e no fim da pagina de buscas. 

Por exemplo, você pretende adquirir uma franquia especializada na venda de chocolates. Pesquise, então, pelo termo “comprar chocolates” para avaliar a publicidade da marca.  

Após esse estudo, é preciso verificar com a Franqueadora se você poderá realizar, também, sua própria publicidade local. 

Algumas Franqueadoras limitam muito essa possibilidade o que pode gerar dificuldades sérias no futuro. O marketing digital do Franqueado não se confunde com o marketing do Franqueador, embora possa ser feito, também, por meio do Adwords e do Facebook ads.   

 

  • 8ª Dica: Contrate um Advogado para Avaliar o Contrato

Não cometa o erro de procurar um advogado apenas quando está sufocado em dívidas e próximo a “falência”!!! 

A análise preventiva do contrato pode ser crucial para o sucesso do negócio, bem como para evitar grandes prejuízos futuros. Pode parecer caro em um primeiro momento. 

Porém, considerando o preço total da aquisição da Franquia, ter acesso a informação jurídica qualificada sobre o modelo de negócio pode fazer a grande diferença.

Trata-se de um investimento (e não uma despesa) importante para garantir o sucesso do negócio. 

No escritório, avaliamos toda a estrutura do modelo de negócio, apontando eventuais erros do Franqueador que podem ser corrigidos pelo Franqueado.  

Por exemplo, em uma franquia de alimentação qual é o sindicato correto dos funcionários da empresa segundo a jurisprudência trabalhista mais atual? Sindifast ou Sinthoresp? A escolha errada pode gerar um passivo trabalhista que se acumula pelos próximos 5 anos, sendo de responsabilidade exclusiva do Franqueado.

Uma verdadeira bola de neve… 

Há Contratos de Franquia, por exemplo, que apresentam clausula compromissória.

Trata-se de uma cláusula que impõe ao Franqueado o dever de propor eventual ação contra o Franqueador em Câmara Arbitral pré-determinada no contrato.

Isso pode parecer bobagem, mas não é, pois impede o Franqueado de ajuizar uma ação na justiça comum, tornando-se um procedimento extremamente caro!

Em alguns casos, para ajuizar uma ação é preciso gastar R$50.000,00 só para ingressar na justiça!!!

Ter acesso a essa informação com antecedência é, sem dúvida alguma, imprescindível para assumir um negócio desta natureza. 

São apenas dois exemplos que demonstram com bastante clareza a importância do advogado antes da contratação.   

  • 9ª Dica: Estude a Grade Mínima (se franquia de produto) ou a Taxa de Royalties Fixa (se franquia de serviço)

Em todo e qualquer contrato de franquia existe uma “válvula” que garante ao Franqueador sempre ganhar, ainda que o Franqueado perca dinheiro.

Isso se faz ora pela Cláusula de Grade Mínima, ora pela Cláusula de Royalties Fixo

  • 10ª Dica: Avalie todas as Taxas e Custos do Negócio

É natural que o preço apresentado pelo Franqueador seja superado durante o desenvolvimento do negócio.

Não é interessante ingressar em uma franquia se você tem apenas o valor que é apresentado na proposta do Franqueador. 

Um dos problemas mais comuns é não possuir uma margem de segurança para lidar com eventuais problemas financeiros que possam surgir.

Isso obriga do Franqueado a socorrer-se de empréstimos bancários a juros exorbitantes, tudo para conseguir pagar salários, royalties, energia elétrica, água, etc. 

Portanto, avalie as taxas do contrato de franquia, os custos para implantação da estrutura, os gastos com empregados (pautando-se no piso normativo da Convenção Coletiva do sindicato correto), dentre outros que podem surgir no caminho.    

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.