fbpx

O que é Convenção de Arbitragem?

O que seria Convenção de Arbitragem?

Convenção de arbitragem é gênero, cujas espécies são cláusula compromissória e o compromisso arbitral. A primeira é definida previamente, antes do surgimento do conflito de interesses, por meio do contrato. Já a segunda  é definida, também de comum acordo, após o surgimento do conflito de interesses. Ambas têm, por objetivo, a instauração de procedimento arbitral, inviabilizando, portanto, a solução do conflito por meio do juízo estatal.

O compromisso arbitral deve ter 4 requisitos:

  1. Partes (qualificação completa, regime de casamento, etc): aqui, verifica-se, também, a capacidade.
  2. Escolha dos árbitros.
  3. Definição do objeto: Trata-se da delimitação do objeto da arbitragem para avaliar se há patrimonialidade e disponibilidade, requisitos necessários para a solução do litígio por meio da arbitragem (art. 1ª da Lei 9.307).
  4. Definir o local em que se vai proferir a sentença: o objetivo é verificar se a sentença será nacional ou estrangeira. A sentença estrangeira possui procedimento específico para execução interna, sendo indispensável a homologação pelo STJ.

 

A cláusula compromissória pode ser escalonada. Significa, em apertada síntese, que a cláusula define etapas procedimentais a serem seguidas. É o caso, por exemplo, da cláusula que determina que, ante eventual conflito, devem as partes seguir, em primeiro lugar, o procedimento de mediação para, após, prosseguir com a arbitragem. Essa espécie de cláusula recebe o nome de cláusula padrão escalonada med-arb.

 

Quais são os requisitos da Convenção de Arbitragem?

Há determinados requisitos subjetivos e objetivos que devem ser respeitados no desenvolvimento de uma convenção de arbitragem, conforme disciplina o art. 1ª da Lei 9.307:

 

  1. Requisito Subjetivo: Capacidade das partes
  2. Requisito Objetivo: Patrimonialidade e a disponibilidade do direito.

 

Vale dizer que em contratos de adesão, como ocorre, por exemplo, nos contratos de franquia, há outros requisitos objetivos que devem ser observados.

 

A Cláusula compromissória poderá ser cheia ou vazia.

  1. Cláusula compromissória cheia: detém requisitos mínimos para escolha do árbitro. Portanto, contém a forma de indicação do árbitro, a indicação do árbitro, ou ainda, a indicação da instituição.
  2. Cláusula compromissória vazia: não é possível escolher o árbitro.

No caso da cláusula compromissória vazia, será necessário levar a questão ao juiz de direito que, por sua vez, poderá suprir a lacuna diante da resistência da parte contrária (art. 7ª da Lei 9.307).

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.